Princesa japonesa quebra protocolo e deixa família real para se casar com plebeu

 

É isso aí, que viva o amor, seja nos contos de fada, num castelo ou numa barraca, não é mesmo? E foi pensando na última opção, não necessariamente ao pé da letra, que a princesa do Japão, Mako, resolveu largar o reinado para viver com o seu grande amor, um pobre advogado plebeu ricamente amado pela japinha!

Ela teve que fazer essa opção porque lá na terra do Sol Nascente as mulheres da família real não podem se casar com homens comuns. Ao tomar essa atitude perdem o reinado, a coroa, ou seja lá o que for.

Mas, quer saber, ela está com uma carinha tão nobremente feliz, que tudo indica que fez a coisa certa.

O casalzinho já se conhecia desde os tempos de faculdade e decidiram se casar três anos atrás.

No dia em que anunciou sua renúncia, a princesa disse ter cumprido seu papel. “Trabalhei para ajudar o imperador e cumpri com as tarefas da nobreza tanto quanto pude. Gostei da minha vida até aqui”, contou a moça e abriu seu coração: “Fui atraída por seu sorriso, que brilha como o sol”, referindo-se ao amado.

Então, com essa linda história de amor, só nos resta dizer: vai ser feliz, menina!

 

(Na imagem,  os noivos dão a notícia à imprensa. Crédito: Toru Hanai/Reuters)

Leu a mensagem do aplicativo e não respondeu? Tem gente que até divórcio pede!

_Onde você está?

_No escritório, ainda, amor…

Ah, como era fácil enganar e ser enganado! Bastava dizer que a chefia obrigou uma hora extra e pronto, o happy hour estava confirmado! Se preciso fosse, no máximo um daqueles sonzinhos de buzina pra fingir que ainda estava parado no trânsito ou algo parecido era acionado.

Mas a tecnologia agora não dá moleza! O monitoramento é ferrenho. Disse que está em tal lugar, na mesma hora vem a resposta: _Então manda uma foto. Não contente: _Agora faz uma foto com um olho piscando… Ou: _Filma, vira a câmera pra eu ver onde você está…e com quem. E assim, o sindicato dos enamorados desconfiados de plantão deu fim o trabalho escravo do escritório, graças ao smartphone!

Dai veio o tal “zapzap” pra acabar vez por todas com qualquer vestígio de mais desculpas esfarrapadas. Olha o que aconteceu recentemente na China (ah, a China e seus casos): mensagens não respondidas no aplicativo do marido foram argumentos aceitos para que a justiça considerasse o pedido de divórcio.

Segundo a agência de notícias BBC, a mulher disse que seu hoje ex a ignorou por cerca de seis meses nesse app, lendo suas mensagens, porém sem retornar. O cara foi tão frio que nem mesmo a notícia de um acidente sofrido por ela o fez sair da inércia. Só fico pensando: esperou SEIS meses??? Ok, ok, antes tarde do que nunca!

Passado um tempo, o insensível resolveu responder, mas sem muito papo, muito menos preocupação com a mulher, restando a ela a decisão certeira de divorciar. Ao que parece ambos já não moravam juntos. De acordo com a BBC o casal estava casado desde 2012. Ela tinha 50 anos e ele 40.

Mas o cara era tão desligadão, tão sossegado, que nem mesmo sobre o divórcio ele retornou. O processo, então, aconteceu sem o consentimento do homem, que sequer compareceu nas audiências, tampouco retornou as tentativas de comunicação do juiz, que, ao acatar o pedido, justificou ser impossível um casal viver assim, sem comunicação.

O fato é que agora a chinesinha está solteiríssima e aprendeu a lição: qualquer sinal de menosprezo, bola pra frente, que atrás vem gente e a fila anda, menina! Com whatsapp, sem whatsapp, ou seja lá o nome que a chinesada colocou para esse sem-vergonha desse aplicativo detetive, viva a vida com quem verdadeiramente está com você!

Ah, o nome do app lá é Line, igualzinho ao nosso “zapzap”.

(Imagem: Reprodução BBC)

Ela é de silicone, amada, idolatrada, salve, salve!

Quando a gente pensa que já viu tudo nesse mundo, mais uma vez vem os japoneses com suas inovações. Só que essa dispensa qualquer uso da tecnologia…mas é tão surpreendente quanto!

Mulheres são substituídas por bonecas – elas são gostosas, jovens, bonitas, estão sempre arrumadas, unhas feitas, depiladas e melhor: não reclamam, não têm tpm, só vão aonde o dono quer, topam qualquer parada, transam a hora que ele tiver vontade, a dois, a três… não têm dor de cabeça, não discutem a relação, usam a roupa que ele quiser e, ainda, não dão prejuízo.

Cerca de duas mil bonecas de silicine já foram vendidas na terra do sol nascente. Elas são equipadas com cabeça e vagina desmontáveis e custam aproximadamente seis mil dólares. Uau!

O dono de uma dessas disse que tem esposa e filha, mas ninguém vê problemas de dividir a casa com ela. Aliás, ele a leva ao parque, motel, praia, tomam banho de banheira…dá até joias de presente. Já a “patroa” faz sua comida, lava, passa, engoma suas camisas e deixa a casa um brilho, feito uma robô, enquanto a siliconada segue a “vida” de mulher amada, idolatrada, salve, salve. Ó, mai Gói!

(Foto: AFP)

Como “comer” dez mulheres em um mês! Oh, como ele é f….!!!

Fazendo uma pesquisa sobre o que postar no blog, li alguns textos de certos “gênios” da sedução virtual e, claro, tive que dar risada.

É incrível como tem homem que se acha o tal, o melhor, o bonzão, quando o assunto é “pegada”. Pior: está cheio de “gostosão” assim – pior ainda: abarrotado de discípulos, contemporaneamente dizendo, seguidores, que dizem amém a tudo o que esses caras falam. Mas será que na prática eles são bons mesmo ou é tudo marketing?

Quando o assunto é como ser o top-top dos Tinders da vida, uns asseguram, em suas “aulas”, que o macho tem que partir pra cima, ser diretão e dizer a que veio ao mundo. Eles garantem que o que todos querem nesses aplicativos é se divertir, sexo casual e oba-oba. Mas tem sabichão pra teorias diversas. Há os mais românticos, porém não menos assertivos em suas teses de como se dar bem nesses apps. Esses avalizam que quem seguir suas dicas pode estar a um passo do altar. Mas vou deixar os que ainda mandam flores de lado e focar nos tais “pegadores”.

Dentre os professores da conquista, tem um que deixa até frase pronta para iniciar uma conversa para você só copiar e colar – trocando apenas o nome da bela. Começa assim: “Olá (nome da garota)…serei direto…não sou nenhum tarado…prometo sexo bom…não vou jugar você…achei você atraente…”. Ó mai Gói!

Aliás, existe até um tal “jogo de texto”, “ infalível” segundo outro garanhão. Funciona da seguinte forma: o cara vai dialogando praticamente também na base do copia e cola – isso mesmo, tipo um robô. Não, não é inteligência artificial – é incompetência natural, mesmo.  Acha que parou por aqui?

Como “comer” dez mulheres em um mês? Oh, que fodão!!!! Mulherada, vocês precisam conhecer esse Eros!!! Segundo ele, tudo é uma questão de “estratégia” – isso mesmo, o cara é o engenheiro do sexo. Inclusive ele oferece até um guia de como transar – será que também diz o passo-a-passo para essa ação, tipo, beija o pescoço, depois fala X coisa, sussurra no ouvido blábláblá – é, essa parte eu pulei.

O “instrutor do prazer” também mostra o caminho da felicidade, dizendo que o app X tem mulheres mais fáceis, já no Y as mais lindas, mas como ele é o bonzão, claro que ensina chegar nas gostosas, lindas, inteligentes e transformar o difícil numa noite bem fácil.

E assim vão seus discípulos, seja na vida real ou virtual, seguindo os truques “indefectíveis” dos  best men, ou ao simplesmente marqueteiros da pegação.

Caras, na boa, sejam vocês mesmos. Escrevam o que são, como são, até porque, na hora do “vamu ver”, não vai ter robozinho nenhum pra te substituir.  Vai na fé que sempre vai ter alguém te procurando, por mais surreal que possa parecer. Tira a máscara que vai ser mais fácil. Confie no seu taco.  E como diria uma certa ex-prefeita, ex-ministra, ex-esposa: depois, “relaxa e goza”!

Procura-se uma BMW para relacionamento sério

Neste Dia dos Namorados, homem declara seu amor à parceira: sua moto…

O bom de se relacionar com homem que gosta de moto é que você pode ficar tranquila, porque se estiver passando uma mulher “bem apessoada” na rua e, do outro lado, uma potente duas rodas, com certeza o amado vai esticar o pescoço para olhar a máquina de tanque, não a de peitos fartos.

A paixão de certos marmanjos por motos é grande e algumas situações causam estranheza. Nesta semana em que se comemora o Dia dos Namorados, ao questionar um rapaz sobre sua namorada, ele apontou para a motocicleta e, numa demonstração de carinho e afeto, disse que ela era a sua mais recente companhia, o que me fez deduzir, pelo seu semblante, que a bela de carne e osso provavelmente não tinha seguro e… foi levada por algum bandido apaixonante.

Suas justificativas em prol da nova “amada” foram tão profundamente explanadas que cheguei quase a acreditar numa relação homem-máquina, mas sabia que, no fundo, não passava de lamento sobre algo mal resolvido de um passado presente.

Ao apontar para a sua possante, o moço argumentou: “Ela, sim merece flores nesta data! Não é ciumenta e me dá menos despesa”. A próxima explicação foi rigidamente a mais encorpada na articulação das palavras: “Ela não me trai!”.

Pausa.

“Então, você foi traído?”, perguntei. “Claro que não!”, respondeu ele, e continuou a tentar me convencer de que havia feito a melhor escolha: “Ela me acompanha para aonde eu for, não me deixa na mão, não fica de TPM nunca e, o melhor, é afrodisíaca”, disse o rapaz, apontando para o emblema da sua BMW, insinuando que nós, mulheres, somos interesseiras, vê se pode!

O papo acabou e ele foi embora, depois de uma sessão de fotos, um tanto quanto românticas, entre ele e, digamos, ela.

Após o diálogo com o rapaz, mais tarde, fui a uma reunião espiritual oriental. Lá, uma palestrante relatava um “case” de sucesso de sua vida em torno do seu incômodo com algumas lagartas que adentravam em sua cozinha. Ela disse que certo dia resolveu conversar com duas delas, pedindo para que deixassem de visitar sua casa e que, por espanto, nunca mais apareceu uma lagartinha sequer em seu lar – foram namorar em outros ares!

Pra fechar aquela noite, um jovem me disse, em poucas palavras, que não gostava de falar com gente, porque tinha medo da reação das pessoas… Confesso que terminei o dia confusa! Acho que vou me casar com o meu papagaio! Ele só fala o que eu quero ouvir, está sempre de bom-humor, tem asas – mesmo assim nunca pensou em voar para outros ares, não tem conta no facebook, sem contar que tem um belo par de íris cor de mel.

No mais, feliz Dia dos Namorados a todos os casais apaixonados